06212018Manchete:

Todos os presidentes do regime militar morreram pobres: mais um factoide que circula nas redes sociais

Mais um lindo factóide que anda circulando na internet afirma, pasmem! Afirma que os Presidentes Generais Militares torturadores, perseguidores, serviram ao país e morreram pobres e que os que se dizem democráticos, se servem do país e já estão ricos. No final da postagem perguntam: quem são os verdadeiros ditadores?

Depois de matarem o Didi, de matarem o Pelé. Agora isso.

Primeiro que a transição para o regime democrático foi pacífica. Segundo, cabe lembrar que a lei da anistia fez com que todos os crimes fossem perdoados (e foram muitos e muitos crimes), além desse perdão, foi permitido que  conservassem suas patentes e ainda recebessem o salário de ex-presidente.

Sabe quanto um ex-presidente custa por mês para o país?

De acordo com a ONG Contas Abertas, um ex-presidente custa aos cofres públicos R$ 63.438,53 por mês. Este valor inclui despesas com servidores (R$ 41.284,38), a contribuição ao INSS (R$ 10.733, 94) e o salário que cada ex-ocupante do Palácio do Planalto tem direito (R$ 11.420,21).

Em se tratando de um General cinco estrelas some ao valor acima as demais regalias que ele possui por ter deixado o posto, a sua anistia, a sua aposentadoria, etc.  Lembre-se que tudo isso em uma época em que a inflação era de 200%.

Além de que sobre Geisel, cabe lembrar que depois do Regime se tornou Sócio Presidente da Norquisa, uma empresa ligada ao setor Petroquímico.

Claro que esses salários não são hereditários e é lógico entender que após a morte desses ex-presidentes, o valor pago cesse e, claro que muitas famílias não terão mais o padrão anterior. Mas ainda cabe lembrar que o regime controlava todo o poder, o da justiça, da mídia, do sistema fiscal e inclusive o poder para impor fatos históricos fictícios sobre aquele período. Ainda é importante entender que nenhum dos filhos desses militares ganhariam uma eleição na era democrática por toda a carga negativa que têm os sobrenomes que carregam. E claro que então não tiveram oportunidades nem força política para se manterem no poder de forma democrática.

Volto a afirmar que o regime controlava a mídia através da censura e controlavam a polícia e o ministério público. Nunca vamos saber de fato o patrimônio de cada um desses ditadores. Agora se morreram pobres…aí é conversa pra boi dormir.

Mesmo nossa incipiente democracia, que vai de 1988; o que não é bem verdade porque o poder só foi passado ao povo anos depois. Mesmo assim, tão novinha e cheia de falhas ainda é uma democracia. Somos muito ingênuos ainda, é verdade, pois nossa democracia é uma democracia muito nova. Mas não se enganem… ainda é melhor que viver em uma democracia com problemas do que viver sem liberdade de expressão, sem direitos.

E é um engano muito grande compartilhar esses factóides nas redes sociais. Só para citar, muitas das famílias que apoiaram a ditadura ainda estão no poder e ricas, muito ricas.

É um raciocínio muito simples. Todos que eram contra o regime foram presos, torturados, perderam os direitos políticos e muitos foram exilados. Só tinha direito político se fosse militar ou se fosse apoiador da ditadura.

Vamos citar só algumas famílias que tinham direitos políticos na era militar:

1) A familia collor não pertence a democracia (agora é fácil para Collor, depois de dar o golpe na nação se fazer de democrático)…  essa é a familia mais rica de Alagoas, mas não é de agora, todo o enriquecimento foi no período do regime.

2) A família do Sarney (que possuía direitos políticos  em pleno regime) é dona de metade do Maranhão.  Consta no livro de Saïd Farhat sobre a biografia de Figueiredo, o último presidente do regime que para não repassar a faixa presidencial a José Sarney, que considerava “um traidor”, deixou o palácio pela porta dos fundos. Por que Figueiredo considerou Sarney um traidor?

3)A família de Maluf é riquíssima e apoiava o regime. O mesmo Maluf (que já havia exercido vários cargos de confiança na era militar) chegou a ser o candidato dos militares contra Tancredo Neves que também tinha direito político naquela época.

4) A família de Antônio Carlos Magalhães apoiava o regime e é a família mais rica e mais poderosa da Bahia.

5) A família de Tancredo Neves é a mais poderosa de Minas e não se enganem (tinha direitos políticos em plena era militar).

6) A família de Roberto Marinho apoiou o sistema, sendo, inclusive, uma das mídias oficiais do regime. Apoiando de forma explícita com publicação de editoriais e tudo. Ano passado, a mesma Rede Globo publicou um novo editorial pedindo desculpas e afirmando que apoiar o regime foi um erro. Mas não se enganem, a mídia em questão é a mais rica do país, respondendo, a um imenso processo da receita federal por não ter pago impostos nos anos do regime. Esse processo já expirou e provavelmente nunca pagarão um tostão desse valor devido. Até mesmo o terreno onde se encontra as organizações Globo é área pública que foi cedida pelo regime para as instalações.

A questão é que muitos apoiadores dos ditadores, depois se voltaram contra o regime, principalmente quando perceberam que não dava para conter a insatisfação popular. Agora todos se disfarçaram de democráticos. Mas não se enganem são os mesmos… com os mesmos interesses. Teremos que, com paciência, esperarmos que esse resquício passe… esperarmos que aprendamos a termos direitos e que ensinemos nossos filhos que uma democracia mesmo que falha e com problemas a resolver é bem melhor do que uma ditadura estúpida.