05232018Manchete:

Autópsia de um eu lírico

Vejam, os invisíveis, vejam seus jalecos cor de cinza e carvão, cheiro de podre incenso. Já se aproximam com embornais e cadernos; com suas luvas de pelica, olhos imensos. Dissecarão com bisturis, cortes precisos; Querem até troças, os supérfluos tropos, os sarcasmos, desejos, medos escondidos. Nada vai escapar, nem ironias, nem engodos. Vão com seus olhos duros de vidro chegar, fazer cara [...]

Lei da menor perda

É bem possível que vitórias não existam nem glórias, nesse jogo, cujas regras nos forja em jogadores ou nos força, em lances do acaso, frágeis peças… e então cartas marcadas sobre a mesa fatos sociais, a família, o trabalho, a igreja, eis a verdade: essa vida, é nada mais que mero espectro da lei da menor perda… A coisa sem nome é séria, mármore frio a ranger os dentes, no [...]